Saltar ligações

Entrevista Pedro Domingues “Spirit” Fernandes

Por RTP Arena em

Os K1ck são uma das principais equipas de esports em Portugal. Formados em Outubro de 1998, a equipa ao longo deste quase 19 anos de existências, já ganhou mais de 500 troféus.

No início deste ano, os K1ck anunciaram a criação de uma gaming house em Espanha. Com este passo dado, achamos que seria a altura para falar com o Pedro Domingues Fernandes, aka Spirit, para nos contar um pouco sobre o presente, passado e futuro dos K1ck.

 

Vocês anunciaram recentemente a criação de uma Gaming House, em Espanha. Porquê em Espanha e o que esperam conseguir com esta casa? 

A criação de uma Gaming House é algo que tínhamos vindo a estudar há já algum tempo, pois sempre nos pareceu essencial para a evolução dos jogadores e para atingirmos o patamar onde sempre quisemos estar nos eSports internacionais. A razão de ser em Espanha tem a ver com os nossos planos para participarmos na LVP e os objectivos de globalização dos K1ck hoje em dia.

As vossas aventuras em Espanha não começaram com a Gaming House… como está a correr a competição para a equipa de LoL na LVP? 

As nossas aventuras em Espanha começaram em 2008 quando em pouco tempo chegamos a nº 1 no país vizinho com equipas espanholas nos mais variados jogos, nomeadamente Counter-Strike, Call of Duty, Quake, DoD:S e WoW PVP onde contávamos com a participação do Ocelote como líder da equipa, entre outros jogos.

Em final de 2010 deixamos de ter equipas espanholas para voltarmos em 2016 com uma equipa de CS:GO que obteve um exito assinalável nas competições internas, ganhando o torneio ibérico de CS:GO com maior prize-money até à data.

Em relação ao LoL na LVP, certamente que poderia estar a correr melhor mas a competição ainda não terminou e os nossos objectivos de passarmos aos playoffs mantêm-se. Apesar da tarefa estar difícil, é de desafios aliciantes que gostamos.

Há planos para se expandirem em Espanha para outros jogos que não LoL – num passado recente já tiveram uma equipa de CS. 

É sempre possível, mas nesta altura estamos mais focados no LoL em Espanha.

Como vês a realidade Portuguesa neste universo dos esports? 

Da mesma forma que vejo outros sectores a funcionarem em Portugal. Estamos algo limitados pois temos a dimensão que temos e é com isso que teremos de viver por cá. No entanto embora o país tenha uma dimensão pequena, a vontade dos Portugueses é enorme e a nossa qualidade continua a mostrar-se por esse mundo fora, concretizando objectivos que muitos nunca pensaram serem possíveis de atingir.

O que falta para Portugal se tornar, eventualmente, uma potência nos esports, já que talento individual existe.   

Falta muita coisa. Para começar investimento por parte de entidades públicas e de entidades privadas com boa capacidade financeira,a construção de estruturas próprias relacionadas com a prática de eSports, bem como a expansão dos eSports em Portugal de forma a atingir em força os mass media e o público em geral.

Os White Dragons regressaram aos K1ck e o Truklax também regressou. Achas que a equipa vai conseguir manter o domínio na competição de LoL que teve nos últimos dois anos?  

Vamos ver. Nunca gosto de tomar nada como garantido e o favoritismo de muitas equipas caiu por terra imensas vezes em variadíssimas ocasiões, tanto nos eSports como no desporto em geral. As equipas são diferentes, têm pontos fortes e fracos diferentes e como dizia no início, vamos ver como vai correr.

Voltando um pouco atrás, como surgiram os K1ck? 

Os K1ck foram fundados em 1998 como resultado de uma decisão de um grupo de amigos que gostava de jogar online, na altura Quake World Team Fortress, onde me incluo. O resto faz parte da história dos eSports. Todos estes anos depois, 2 dos 4 fundadores ainda se mantêm por cá.

Nestes 19 anos de K1ck, qual o momento que te deixou mais orgulhoso? 

Ainda não chegamos aos 19, mas vamos a caminho. São tantos momentos, tantas conquistas nestes mais de 500 torneios ganhos, tantos motivos de orgulho com os feitos de jogadores extraordinários, tantas viagens e exibições fantásticas por esse mundo fora que é difícil destacar um só momento. Posso no entanto referir a notícia que menos vontade tive de escrever e que mais me marcou em termos de emoção que foi a da saída do Fox após estar 8 anos ininterruptamente nos K1ck, quase metade da nossa longa história.

Qual o objetivo dos K1ck para os próximos anos? 

Os objectivos são os mesmos de sempre. Continuar a competir a um nível alto, conquistar o maior número de torneios que conseguirmos, chegar o mais longe possível nas competições internacionais e dar motivos de orgulho aos nossos seguidores que nos acompanham há tanto tempo, bem como aos que chegaram agora aos eSports e nos inundam de felicitações online e nas lans por onde passamos.

 

Segue os K1ck nas redes sociais:

FACEBOOK

TWITTER

YOUTUBE

Lê as últimas novidades dos esports aqui.