Smash World Tour
Fotografia por: Smash World Tour/Robert Paul

A organização do circuito Smash World Tour recebeu uma ordem inesperada da Nintendo para cancelar todos os eventos.

O comunicado foi avançado ontem quando faltavam 10 minutos para as 23 horas em Portugal continental. A equipa que estava encarregue de gerir o Smash World Tour revelou que receberam a informação na noite antes do Dia de Ação de Graças de que não poderiam continuar com as operações.

Contam que ficaram chocados com a notícia dado que não vai ao encontro das conversações que têm tido com a Nintendo no último ano. Dão ainda a conhecer que o prémio para o Smash World Championship deste ano seria o maior de sempre para o jogo, de $250.000. O prémio total para todo o circuito seria superior a $350.000.

Com este cancelamento abrupto do projeto a organização alega ter perdido centenas de milhares de dólares que foram investidos para que o torneio acontecesse. Apesar das perdas significativas, garantem que era um trabalho de “amor” para eles, e que estão a tomar todas as medidas para que os jogadores e participantes recebam de volta os custos que tiveram com o evento.

A história do cancelamento poderia ser apenas mais uma medida para proteger o IP por parte da Nintendo, mas os problemas tornam-se mais estranhos quando colocados na perspectiva do Smash World Tour. Ao que a organização avança, há uma alegada correlação entre o cancelamento da competição e uma ligação da Nintendo à Panda Cup.

Esta segunda competição, ao que é avançado no comunicado, conta com uma licença para a organização do circuito e está a colocar pressão noutros eventos para que se juntem a si de forma exclusiva. A organização da Panda Cup, alegadamente, espalhou a palavra entre vários organizadores de torneios independentes de que o circuito SWT seria cancelado e que deveriam juntar-se à sua competição, contrastando com as palavras da Nintendo que indicavam que o primeiro continuaria a operar mesmo com as licenças em processo de avaliação.

A Nintendo já respondeu à Kotaku, revelando que nunca pediu para que o evento de 2022 fosse cancelado, tendo em consideração o impacto negativo nos jogadores que iriam participar e que não chegou a um acordo para o circuito de 2023 com a SWT.

Imediatamente após a resposta da Nintendo, a organização do Smash World Tour voltou a emitir um comunicado em que revela que perguntaram se seria possível continuar com os planos existentes e voltar a tentar uma licença em 2024, pedido ao qual a Nintendo respondeu que “esses tempos terminaram“. Contam ainda que perguntaram à empresa japonesa se tinha considerado as implicações que o cancelamento teria nos jogadores, ao que a mesma respondeu que todas as variáveis teriam sido consideradas. Deixam também claro que nenhuma candidatura para o evento em 2023 tinha ainda sido feita, a candidatura foi relativa ao ano de 2022, enviada em abril do presente ano.

Lê as últimas novidades dos esports aqui.

PUB