Saltar ligações

Funáná do mucha #3 – Quem pode aparecer?

Por Mucha em

No 3º “Funáná do mucha” vamos falar sobre os jogadores que se podem vir a afirmar este ano.

Num ano que começou com muitos dos nossos melhores jogadores a irem para Espanha, começaram a surgir muitas dúvidas sobre quem iria ficar cá e quem seria os novos melhores jogadores. Tendo em conta que ainda ficou muita malta com provas dadas, creio não haver grandes dúvidas relativamente a esse assunto. Agora, existem ainda alguns jogadores que já no ano passado demonstraram alguma qualidade, mas ainda não o suficiente para se afirmarem no lote dos melhores indiscutiveis, e é sobre isso que venho hoje falar e dar a minha opinião.

OFFSET

  • Paulo “PR” Silva

Um jogador que no ano passado iniciou a sua ascensão, passou pelos Panthers, Hexagone e terminou o ano a ringar pelos Alientech quando assim foi necessário. Apesar de ser um jogador de excelente qualidade, ainda não atingiu o estatuto de um dos melhores. Este ano pode ser sim o ano da sua afirmação, ainda para mais a jogar numa equipa que, certamente, vai lutar pelo 1º lugar em todas as competições, vamos ter a hipótese de acompanhar de muito perto as suas prestações.

mucha

YNG Sharks

  • Rodrigo “RCF” Caponero

Apesar de ser um jogador que chega a Portugal com um carimbo de craque, ainda é muito jovem, um jogador que foi trazido pelos YNG Sharks para apresentar muita bala e de maneira constante. Vamos ver se consegue ou não responder a esta aposta da organização e com isso conquistar esse estatuto de craque, juntando-se a leO_druNky, que nos conquistou a todos com o excelente ano realizado em 2017.

Panthers

  • Daniel “nabowow” Brito

Apesar de ser um jogador que já anda nestas andanças há algum tempo, sempre esteve ligado a projectos de curta duração e foi passando ao lado dos grandes palcos. É-lhe reconhecida muita skill, vontade e esforço para melhorar o seu jogo, mas ainda não é consensual que esteja dentro daquele primeiro lote de jogadores. Esperamos que seja o ano de explosão a nível individual e que, por consequência, isso se reflita para a equipa, dando assim maiores hipóteses ao jogador de se mostrar.

mucha

Hexagone

  • João “w0rms” Cerdeira

À semelhança de nabowow, também já anda no CS há muitos anos mas sempre com um grande problema: desaparece muito facilmente. Um dos melhores jogadores a desempenhar o papel de lurker no nosso país mas que, infelizmente, é um fenómeno por explicar, ora está muito aplicado e esforçado ou perde a motivação, fecha-se sabe deus onde e desaparece. Vamos esperar que nos Hexagone consiga demonstrar todo o seu valor e que alguém o consiga motivar e manter em ordem, para se afirmar de uma vez por todas e não ouvirmos apenas falar sobre a “eterna promessa”.

defs

  • Filipe “NOPEEj” Dias
  • Fábio “TwixY” Pedro

Filipe “NOPEEj” Dias foi um dos jogadores mais importantes na equipa dos Panthers de 2017, à semelhança dos restantes membros dessa equipa, foi sempre evoluindo e a pouco e pouco foi ganhando o seu espaço entre os jogadores, num ano em que terminou ali muito perto dos melhores. Este ano e numa equipa nova, pode ser que se veja um jogador diferente e não tão freestyler que foi o que o caracterizou.

Fábio “TwixY” Pedro foi uma das grandes revelações de 2017, um jogador muito jovem que foi crescendo na antiga equipa dos exotic. Em termos individuais ia-se sempre destacando do resto dos seus companheiros onde depois borrava a pintura devido à sua falta de disciplina e conhecimento de jogo, assim como a controlar os seus impulsos dentro do servidor. Tendo agora a hipótese de jogar com pessoas mais experientes pode dar outro passo de gigante e ser uma afirmação.

mucha

Galatics

  • Filipe “wrecky” Martins

É também um jogador já bastante conhecido, mas que no ano passado foi muito intermitente! Foi aparecendo e desaparecendo, inclusive nos K1CK onde foi apresentado, e praticamente não jogou, talvez por razões pessoais ou relacionadas com a faculdade. Felizmente volta a aparecer na parte final do ano, na equipa que depois posteriormente se juntou aos Galatics. Esperamos que se mantenha em maré de aparecimento e que comprove todas as suas credenciais.

EGN

  • Fábio “BuJ” Ferreira

Apesar de ser um jogador que dispensa apresentações para muitas pessoas, em termos de CS:GO ainda não conseguiu confirmar todo o sucesso que teve no CS:Source. Temos de ter em conta que teve uma paragem como jogador, mas no ano passado foi voltando a aparecer e inclusive até brilhou em alguns jogos com jogadas que anteriormente o caracterizavam. Este ano pode ser não uma afirmação, mas sim uma reafirmação como dos melhores jogadores nacionais.

mucha

EYESHIELD

  • Gonçalo “Passinhas” Passinhas

Um jogador jovem ainda, começou a aparecer mais no ano passado naquele lineup dos PROCOM que volta e meia ia criando dificuldades às melhores equipas. Para 2018 dá aqui um passo em frente, entra para uma equipa mais disciplinada e com jogadores mais experientes, pode ser que seja o necessário para explodir como jogador e se comece a afirmar.

Team HD

  • João “Krush” Abraão
  • João “Jay” Conceição

João “Krush” Abraão foi uma das grandes revelações em termos individuais do ano passado. Ele fez parte da antiga equipa dos Panthers que foi, sem dúvida, a equipa a demonstrar maior potencial em termos futuros e onde Krush teve um papel crucial. Ele foi aparecendo lentamente, até que explodiu na segunda metade do ano e começou a realizar algumas exibições de alto nível, no entanto ainda são algo instáveis e em 2018 tem a oportunidade para se afirmar de vez, como um dos melhores awpers em Portugal.

João “Jay” Conceição, à semelhança do seu colega de equipa, também fazia parte dessa antiga equipa dos Panthers. É um jogador que, por vezes, passa um pouco despercebido. Não é um jogador muito vistoso mas demonstra uma versatilidade que alguns dos melhores não têm e com tanta competência! Pode ter alguma dificuldade por estar ‘tapado’ por jogadores mais vistosos e de maior nome, mas creio que este ano poderá ser a sua afirmação.

mucha

FTW

  • José “MiSK” Rangel

Apesar de ser um jogador já conhecido na scene, ainda gera dúvidas para algumas pessoas, maioritariamente para os menos atentos e quem não segue os jogos da sua equipa por perto. Em 2017 demonstrou toda a sua capacidade enquanto representava os Hexagone.Cubo, levando a mesma a ser considerada uma das equipas revelação. Este ano, com uma equipa mais coesa, tem tudo para tirar essas dúvidas aos mais cépticos e entrar indiscutivelmente no lote dos melhores.

E vocês, quem acham que vão ser as afirmações deste ano? Vou-vos deixar a pensar ao ritmo deste som.

Próxima semana temos mais Funáná do mucha.

Lê as últimas novidades dos esports aqui.